Cadê o relógio de ponto que estava aqui?

Artigo de Flávio Romeu Picinini

Antes da Reforma, nas empresas com mais de 10 empregados era obrigatório registrar o ponto por meio mecânico ou eletrônico na entrada, intervalos de descansos e saída.

Também era obrigatório fornecer comprovante do registro do ponto ao empregado para que o empregado pudesse conferir se o registro estaria correto.

Agora, esta empresa não está mais obrigada a manter o registro da jornada diária e deve registrar somente as horas extras.

A consequência é que o empregado faz horas extras, não recebe o pagamento ou compensação e não tem como provar.

Ficou ótimo para os patrões! Só faltou substituir o relógio de ponto por um tronco de castigar escravos, como foi comum em outros tempos.

SE VOCÊ TIVER ALGUMA DÚVIDA RELACIONADO A ESSE ASSUNTO, NÃO DEIXE DE AGENDAR UMA CONSULTA CLICANDO NO BOTÃO ABAIXO

Fique por dentro

Explore por mais artigos

A lógica do sistema capitalista

O trabalhador vende e coloca à disposição do empregador valiosas horas de sua finita permanência neste mundo. Para ele, o capital é cada minuto de sua vida.

O caso do casal Diego e Angélica.

Mais uma semana de trabalho em ritmo intenso, e estou agradecido pela oportunidade que tive de prosseguir com a missão de esclarecer pessoas. Sexta-feira conheci

INSS: Como funciona o salário-maternidade?

O salário-maternidade é um benefício essencial para trabalhadoras, tendo em vista que permite o afastamento remunerado do trabalho para se dedicar aos filhos nos primeiros meses. Porém, muitos segurados ficam com dúvidas sobre como ele funciona, quem tem direito e como requerer.

Shape
%d blogueiros gostam disto: